quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Review: Gothic Kabbalah (Therion)

Gothic Kabbalah (Therion)
2007, Nuclear Blast

Há quase duas dezenas de anos que os Therion tem vindo a revolucionar o mundo do Metal. De álbum para álbum sempre arriscaram dar um passo. Em alguns trabalhos esse passo foi, se não para trás, pelo menos para o lado. Mas no mesmo sitio nunca ficaram. E de novo isso volta a acontecer em Gothic Kabbalah. Menos majestoso em termos sinfónicos e menos gloriosos em termos corais, o novo trabalho dos Therion poderá, à primeira vista, desagradar aos fãs da banda. Mas, depois de bem digerido, chega-se à conclusão que, afinal, até lá há pérolas ao nível do melhor que o grupo sueco já nos ofereceu. Em termos instrumentais, há mais espaço para os instrumentos, digamos, tradicionais do metal: solos de guitarra fabulosos, órgão hammond delicioso, bateria e baixo com uma técnica a roçar o progressivo. Na verdade, estando menos operáticos e menos sinfónicos, os Therion estão mais técnicos e precisos. E em termos vocais, o trabalho atinge a perfeição, partindo das diversas tonalidades criadas pela utilização de seis vocalistas diferentes, todos eles (e elas) detentores (as) de uma capacidade técnica superior. Depois há sempre aquele toque Therion que faz com que qualquer tema, por mais diferente que seja, soe à Therion. De facto, este álbum é nos pormaiores inovador, mas nos pormenores remete-nos, em muitas alturas, para Theli. A única falha em Gothic Kabbalah é o número exagerado de temas. Quinze temas distribuidos por dois discos não seria problema. Mas, quando três ou quatro desses quinze ficam, claramente, abaixo da média, então teria sido bom retirá-los. Isso não foi feito e a nota final ressente-se.
Nota VN: 17,67 (2º)