sábado, 24 de maio de 2008

Playlist 23 de Maio de 2008

1ª hora:

Northwind (Falconer)
En Natt I Nord (Midnattsol)
Asylum (To-Mera)
The Rise (Urban Tales)

Flashback da semana: A Small Deadly Space (Fight)
Gretna Greene

Bull Rider (Bulldozer)
Kill It (Helloween)
Bliss Of Solitude (Isole)
Full Of Emptiness (Nocturnal Symphony)

2ª hora:

Goodbyes To Waste (Dark Tales)
If Only (Ebony Ark)

Disco da semana: Global Warning (Jon Oliva’s Pain)
Global Warning
Firefly
Master
Walk Upon The Water
You Never Know
Someone/Souls

March To The Shore (In Flames)
Rise (New Mecanica)
Fears Won’t Bring A Change (All Against The World)
All This Is A Lie (Primordial Melody)

Review: Confessions (Grankapo)


Em todos os estilos de arte, de quando em vez surgem as modas. Estas vêm, vão e depois só restam os melhores. Serve esta introdução para referir que no rock mais pesado em Portugal se vive uma dessas fases de moda. Os colectivos que praticam hardcore, metalcore e sei lá mais o quê core crescem como cogumelos em Outono húmido. Os lançamentos sucedem-se a um ritmo pouco habitual para o nosso país e pouco adequado ao nosso mercado. Agora surgem os Grankapo, com o seu segundo trabalho, que demonstram o habitual: atitude, poder sonoro e mensagem. Mas será mesmo o habitual? Talvez não. Os Grankapo não apostam tanto na velocidade e na brutalidade, mas sim no groove. Com a curiosidade de os primeiros seis temas não existirem, o álbum começa à sétima faixa com Rise, um tema que ilustra bem os propósitos do colectivo: temas curtos, sem grande capacidade técnica, riffs directos e sem floreados, ausência total de solos. Tudo bons exemplos que podem resultar bem frente a um público sedento de saltos, mosh e outras coisas que tais, mas muito redutor para quem quer apreciar a música em casa. Ainda por cima com os 12 temas a passarem por nós sem nos apercebemos das diferenças entre cada um. Com excepção de My Son, onde se arrisca um pouco mais com a inclusão de momentos hip-hop, tudo o resto é demasiadamente igual para o seu próprio bem.


Tracklisting:
7. Rise
8. Man Killing Man
9. Back To Hell
10. Last Mistake
11. Who Are You Know
12. It Lives In Me
13. Confessions
14. 3 Words
15. Life Goes On
16. My Son
17. Look At Me
18. For Once In Your Life


Lineup: Lima (baixo), Miguel (guitarra), Rui Fac (vocais), Ivan (bateria), João (guitarra)

Website: http://www.grankapo.com/

Myspace: www.myspace.com/grankapo

Edição: Hell Xis (http://www.hellxis.com/)

Nota VN:
10,0 (16º)

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Playlist 16 de Maio de 2008

1ª hora:

Hyubris (Hyubris)
Call Out To The World (Nocturnal Rites)

Flashback da Semana: Diver Down (Van Halen)
The Full Bug

You’ll Never Know (Urban Tales)

Entrevista: Urban Tales

2ª hora:

Lie To Me (Leandra)
La Stanza Nera (Ava Inferi)
Why Do I (Work Of Art)
Breaking Ties (Angra)

Disco da Semana: Zoom Code (ThanatoSchizo)
L.
Hereafter Path
(Un)Bearable Certainty
Pale Blue Perishes
Pervasive Healing
Awareness

Asgardsreia (Lumsk)
Remember (Crematory)

Nota: Atendendo à duração da entrevista, esta play list pode ser alterada.

Review: Night Eternal (Moonspell)


Longe vai o tempo em que os Moonspell nos deliciavam com sublimes melodias e memoráveis canções feitas de um ímpar negro romantismo. São bons exemlos os álbuns Wolfheart, Irreligious, Darkness & Hope e, até mesmo, The Antidote. Mas os Moonspell do novo milénio são diferentes. Estão mais abrutalhados, mais enraivecidos. Tudo começou em Memorial e continua neste que é já o seu oitavo registo. A banda nacional foi para a Dinamarca, para os Antfarm Studios e trabalhou com Tue Madsen. Desde logo, a brutalidade e a intensidade já estavam previstas nas cabeças do quinteto. Até porque o seu antecessor já havia deixado indicações nesse sentido. E de facto confirma-se que Night Eternal é um portento de força, músculo, densidade irrespirável. Continua obscuro, mas a envolvência gótica e as grandes malhas que toda a gente cantará parecem agora mais tímidas. Somente em temas como Scorpion Flower (fantástico dueto com Anneke Van Giersbergen) e em Dreamless (Lucifer And Lilith) ou First Light se pode encontra aquele espírito melancólico, negro e romântico com a participação das Crystal Mountain Singers (Cármen Simões, Sophia Vieira e Patrícia Andrade) a transportarem este último tema para um patamar de excelência. Tudo o resto é poder, força e violência. E os Moonspell deveria ser mais que isso.


Tracklisting:
At Tragic Heights
Night Eternal
Shadow Sun
Scorpion Flower
Moon In Mercury
Hers In The Twilight
Dreamless (Lucifer And Lilith)
Spring Of Rage
First Light


Lineup: Fernando Ribeiro (vocais), Mike Gaspar (bateria), Pedro Paixão (teclados e guitarras), Ricardo Amorim (guitarras), Aires Pereira (baixo)

Website: http://www.moonspell.com/

Myspace: www.myspace.com/moonspell

Edição: SPV/Steamhammer (http://www.spv.de/)

Nota VN: 14.7 (3º)

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Playlist 09 de Maio de 2008

1ª hora:

The Neverendless Road (Hiffen)
Hand Of Sorrow
(Within Temptation)
Falling (Secrecy)
Stronger (Urban Tales)
Brighter Than A Thousand Suns (Iron Maiden)
The Truth Is In Here (Ayreon)

Flashback da semana: Under Jolly Roger (Running Wild)
Under Jolly Roger

Captain’s Morgan Revenge (Alestorm)
Keep On Galloping (Korpiklaani)

2ª hora:

No Sacrifice (Khymera)
The Storm Still Rages Inside (Orphaned Land)
Wax Simulacra (The Mars Volta)
Chasing The Dragon (Epica)

Disco da Semana: Critical Chaos (Primordial Melody)
Dream About A Surrounded Soul
Long Way You Run
The Vengeful Man
All This Is A Lie
By Your Hands

Scratch In Time (All Against The World)
Who Are Who I Am (The Chapter)

Review: Tales For Bad Girls (Forever Slave)


Em primeiro lugar convém dizer que os Forever Slave são espanhóis. Isto apesar de toda a sua sonoridade parecer holandesa. E quando se fala em parecer deve entender-se como igual a. De facto, originalidade é o que não abunda neste colectivo que desde há três anos, quando editou Alice’s Inferno pela Armaggedon, perderam o violinista e o baterista oficial da banda. Talvez não sejam estas ausências as responsáveis por agora termos um colectivo menos coeso, menos expansivo, menos intenso. Claramente que faltam os pequenos apontamentos de violino, mas o que mais falta faz, são as incursões black metal, os solos, a forte e, por vezes, tormentosa voz masculina e algum poderio ao nível da guitarra. Tudo que agora é substituído por melodias, algumas interessantes é certo, mas cheias dos clichés do género. A colagem a nomes como Within Temptation ou Evanescence é de tal forma gritante que o colectivo ainda se arrisca a ser acusado de plágio. Vá lá, de vez em quando até mudam de influência: My Girl é uma cópia descarada de Nightwish e dos vocais masculinos de Marco Hietalla! Como facilmente se depreende, criatividade é palavra inexistente no dicionário destes rapazes. Todavia, principalmente na primeira metade do álbum encontramos alguns temas com um sentido melódico apurado e apelativo. Say Good-Bye, apresenta uma melodia deliciosamente pop enquanto que Afterlife e Our Story prometem não deixar ninguém indiferente tal a força da melodia. A voz frágil de Lady Angellyca não espanta ninguém, mas acaba por não comprometer muito o trabalho final. Um trabalho que volta a ter na dupla de guitarristas Oswalth e Servalath, uma mais valia, se bem que agora com uma participação mais limitada. Em resumo, os Forever Slave quiseram fazer um álbum para as vendas. Ninguém os pode condenar por quererem ganhar dinheiro com o seu trabalho. Mas deveriam ter assegurado um rótulo como DOP.


Tracklisting:

1. Dickhead!
2. Say Good-Bye
3. GothiX Girls
4. Pulse
5. Kristen A.I.D.S.
6. Afterlife
7. Our Story
8. Mar, no te vayas
9. The Lovers
10. Larmes et Roses
11. My Girl (She loves her)
12. Gasoline

Lineup: Leal (teclas), Edward Vert (bateria), Lady Angellyca (vocais), Oswalth (guitarra), Servalath (guitarra)

Website: http://www.foreverslave.com/

Myspace: www.myspace.com/foreverslavemusic

Edição: Wacken Records/SPV (http://www.spv.de/)

Nota VN: 15,2 (22º)

Entrevista com Urban Tales

Na sequência da escolha dos Urban Tales como grupo do mês de Maio, aproveitamos para informar que está agendada uma entrevista com a banda para o dia 16 de Maio, pelas 21:30 horas. Esta pode ser escutada nos sítios habituais: 90.5, 100.8 ou em www.rrt.pt.vu.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Review: Amanethes (Tiamat)


Após quase duas décadas os Tiamat lançam aquele que deverá ser o seu trabalho mais completo de sempre. Com uma capacidade única de se re-inventarem, os suecos surpreendem em 2008 pela forma como são influenciados pelo seu próprio passado. Em Amanethes a viagem vai dos tempos death metal em Equinox Of The Gods ou Raining Dead Angels aos momentos calmos, introspectivos e contemplativos de A Deeper Kind Of Slumber em Will They Come, Circles ou Amanes. Talvez o longo hiato entre esta novidade e o anterior Prey (cinco anos), tivesse efeito na forma como o quarteto soube conduzir o processo de criação, libertando-se das tendências do momento e pesquisando no seu próprio reportório o caminho do seu futuro. Depois a mudança de ares também deve ter ajudado. Pela primeira vez em toda a sua carreira Johan Edlund não edita pela Century Media! O álbum é muito variado, equilibrado, belo em determinados momentos. Os ritmos compassados, lentos, graves já são habituais em Tiamat mas agora parece que ganharam uma outra dimensão. Em Summertime Is Gone, por exemplo, chega a haver a inclusão de riffs bluesy. Os solos são fantásticos de técnica e melodia. Utilizando uma distorção mínima, nem parecem feitos para temas metal. Como se o Mark Knofler andasse por ali! As doces e românticas melodias continuam presentes ainda mais pegajosas e ainda mais belas. Como em Meliae ou Amanes. Fantástico. A destoar apenas um par de temas menos interessantes estrategicamente colocados no meio do álbum. Uma pequena pausa que logo se ultrapassa.


Tracklisting:
The Temple Of The Crescent Moon
Equinox Of The Gods
Until The Hellhounds Sleep Again
Will They Come
Lucienne
Summertime Is Gone
Katarraktis Apo Aima
Raining Dead Angels
Misantropolis
Amanitis
Meliae
Via Dolorosa
Circles
Amanes


Lineup: Johan Edlund (vocais, guitarra e teclados), Anders Iwers (baixo), Lars Skold (bateria), Thomas Wyreson (guitarra)

Website: http://www.churchoftiamat.com/

Myspace: www.myspace.com/tiamat

Edição: Nuclear Blast (http://www.nuclearblast.de/)

Nota VN: 16,3 (8º)

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Playlist 02 de Maio de 2008

1ª hora:

The Calling (Crown Of Glory)
Crimson Tide/Deep Blue Sea (Nightwish)
One By One (Sarcastic)

Flasback da Semana: Kings Of The Sun (Kings Of The Sun)
Serpentine

Rush Hour Baby (Stonerider)
Fade Away (Urban Tales)
Devil In The Belfry (Avantasia)
Stained With Sin (Brainstorm)
Fearing Myself (Agon)
Revenga (System Of A Down)
Void (Sigma)

2ª hora:

Cure (Tristania)
We Live (Bassinvaders)
And I Walk With Them (My Dying Bride)

Disco da Semana: Love & Hate (New Mecanica)
Rise
Lonely
Fire Desire
Game Of Lies
Lunacy
You And I

Liberator (Viron)
Sleeping Solution (Crematory)
Luna (Moonspell)