Entrevista com Soulspell

Criar uma opera metal não é tarefa fácil. Mas o baterista brasileiro Heleno Vale não se assustou e criou uma fantástica história que já vai na segunda parte, com The Labyrinth Of Truths e promete não parar por aqui. Conheçam melhor esta história e os seus protagonistas pela escrita do seu próprio criador.

O que te motivou a escrever uma opera metal?
O Brasil é um país enorme e repleto de talentosos músicos. Achei que poderíamos realizar uma obra excelente, apenas com músicos do nosso país. É disso que se trata nosso primeiro álbum, uma vitrina dos talentos do Brasil. A motivação maior foi esta, mostrar ao mundo a quantidade de coisas boas e diversidade que há na cultura brasileira.

Quanto tempo trabalhaste na composição e delineamento desta obra?
O primeiro disco demorou dois anos, entre 2006 a 2008; este segundo álbum entre 2008 a 2010. Ou seja, dois anos para cada álbum. Acho que é um bom tempo para se produzir um disco interessante e repleto de detalhes especiais.

Quando partiste para a criação de uma obra desta grandiosidade tinhas noçãodos riscos que corrias?
Claro que sim. Não foi fácil tomar essa decisão, porém hoje em dia vejo que tomei a decisão correcta, pois todos os músicos, o público e a comunicação social receberam muito bem esse segundo álbum. Foi uma decisão tomada com base em muito amor ao Heavy Metal e vontade de trabalhar. Quando se tem um sonho, deve fazer-se tudo que se puder para o alcançar. Nós nos Soulspell estamosa fazer tudo que podemos e ainda mais um pouco para superar as imensas dificuldades do mercado actual.

Tiveste a colaboração de outros músicos?
Ah sim! Com certeza. Sem todos os meus queridos amigos e músicos nada disso seria possível e o nosso segundo álbum nunca teria a mesma qualidade.Tito Falaschi, o nosso produtor, ajudou-me muito. Heros Trech, o responsável pela mistura, também fez um trabalho maravilhoso. E, cada um dos muitos instrumentistas e vocalistas tiveram liberdade total para alterar suas linhas da maneira mais adequada. O sucesso do Soulspell com certeza tem raízes nesse sentimento de união e cooperação de cada um de seus integrantes. Mesmo os contactos internacionais não teriam sido possíveis sem a ajuda de alguns queridos amigos.
Podes descrever-nos a história desta ópera?
Sem dúvida. A história de Soulspell é um conto de fadas especial,onde é narrada a vida de um jovem garoto, que é atormentado por visões das suas vidas passadas. Ao longo do seu tortuoso caminho, esse garoto descobre muitos factos e enfrenta diversas situações que alteram completamente o rumo de cada personagem da história. O seu filho, o personagem principal do segundo disco de Soulspell, possui o mesmo dom especial do seu pai (a capacidade de enxergar momentos de suas vidas passadas) e enfrenta muitas situações de conflitos internos e novos e diferentes sentimentos a cada música que passa. A trama tem seu ápice na dimensão atemporal do Labirinto das Verdades, local guardado pelo dragão vigilante Hollow. A história é repleta de analogias com factos históricos reais, como a segunda guerra mundial, ou a era de Ramsés II e de lições de vida emocionantes. É uma história bastante complexa e interessante, que terá seu final conhecido apenas no terceiro, quarto,quinto ou sexto discos (risos). Tu pode escutar os discos em apenas 60minutos cada um, porém podes demorar a vida toda para entender a história desse conto de fadas triste, estranho, profundo e tenebroso. Há desenhos dos personagens e a sua descrição no site oficial do projecto. Tudo se torna bem mais interessante, quando o público acompanha cada passo do personagem, durante as letras, história e desenhos divulgados.

Como foi o procedimento para a escolha dos artistas e das respectivaspersonagens?
Como eu disse anteriormente, o Brasil é um país repleto de talentosos músicos, de diversos estilos. Portanto, não é nada fácil escolher apenas 10 ou 20 participantes para cantar num projecto desse tipo. Eu convido aqueles que acredito que farão um bom trabalho para determinado personagem, mas ainda há muita gente que quero convidar, portanto o projecto Soulspell deve ter vários álbuns de vida pela frente. O mesmo vale para artistas nacionais ou internacionais. Convido quem acho que encaixará com algum personagem. Realizo, também, concursos para descobertade novos talentos aqui no Brasil. É algo bastante divertido, interessante e produtivo para a cultura do país.

E como foi juntar tanta gente num só projecto, alguma dela verdadeiramente ilustre?
Eu adoro o que faço, portanto curti cada momento desses 4 anos de projecto. Cada músico vem com uma experiência de vida e um talento diferente e maravilhoso. Tudo acrescenta a todos, obviamente, inclusive a mim. Cada artista nacional ou internacional contribuiu como uma peça de um quebra-cabeças gigantesco. A empolgação a cada novo artista convidado ou a cada trecho gravado foi sempre constante no projecto. Não é possível descrever em palavras a felicidade de receber um sim de um artista do qual sempre fui fã,como Jon Oliva, Zak Stevens, Edu Falaschi, Roland Grapow, Mário Pastore, Nando Fernandes e todos meus grandes amigos e músicos dos Soulspell.
E esses convidados, de alguma forma, influenciaram o formato final das composições?
É claro que sim. Como eu disse, cada um teve total liberdade para criar e com certeza os mais experientes ajudaram muito no resultado final.

Estás a pensar levar este projecto para palco? Se sim, de que forma?
Estou sim. O projecto já tem 9 shows agendados para o final deste ano, no Brasil. Estamos a realizar os shows com cerca de 10 integrantes, somando um total de 5 vozes que estão a ensaiar com a banda e farão todos osespectáculos. Alguns convidados especiais participarão apenas em shows específicos. Espero poder tocar em palcos da Europa, Japão e o restante da América do Sul e Norte.

Haverá continuidade para esta história?
Claro que sim. Espero que o projecto possa gravar ainda muitos álbuns, para revelar muita gente talentosa e produzir muita música de qualidade para o Heavy Metal brasileiro e mundial. Só depende dos fãs continuarem a apoiar-nos. Da minha parte a vontade é imensa e a persistência é uma marca.

Parabéns pelo trabalho e obrigado!
Eu que agradeço pelas excelentes perguntas. Um grande abraço a todos e encontrar-nos-emos nos shows e nos próximos discos.

Comentários