segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Entrevista: Arven


Arven é um novo sexteto germânico que, quanto mais não fosse, dava nas vistas por ser constituído por cinco senhoras. Mas seria de todo injusto fazer apenas referência às constituintes quando o seu álbum de estreia, Music Of Light, apresenta a qualidade que apresenta. Por isso quisemos conhecer um pouco mais este original coletivo e a baixista Lisa respondeu às nossas questões.



Parabéns pela vossa fantástica estreia. Têm tido excelentes comentários até agora. Esperavam isso?

Muito obrigado! É verdade, temos um monte de feedback positivo mas não, nós definitivamente não esperávamos que fosse tão bom. Demoramos muito tempo para gravar o álbum por isso sentimo-nos muito bem saber que valeu a pena o tempo.

Indo ao passado, quando e porquê nascem os Arven?
Foi uma ideia de Anastasia em 2006 que deu a ideia para fundar um all-girl band metal, mas ela não sabia se conseguiria arranjar raparigas para tocar metal, de modo que anunciou em todos os lugares que queria juntar um conjunto de raparigas para o seu projeto. Anastasia já havia tocado em algumas bandas de metal antes, mas era sempre a única rapariga e foi por isso que ela quis fundar uma banda só de raparigas. O início foi difícil e demorou bastante tempo até que Anastasia tivesse um line-up completo para tocar. No início de 2007 as Arven deram o seu primeiro concerto. Em 2009 a banda teve uma mudança de formação: eu entrei na banda e tenho adorado tocar baixo com as Arven desde essa altura.



E todas já tinham tido outras experiências anteriores em outras bandas?

Não, não todas. Anastasia e Till já tinham várias experiências em bandas de metal, antes de se juntarem a Arven. Aliás, ainda tocam em outras duas bandas. Eu, desde os meus 14 anos que toco em diferentes bandas. A Lena e a Ines nunca tinham tocado em qualquer banda mas ambas estudavam no conservatório e tinham experiência em tocar juntas com outros músicos e estavam habituadas ao palco.



Voltando à vossa estreia, podem notar-se alguns diferentes tipos de influências no vosso álbum. Como foi feita essa gestão?

Sim, isso mesmo. Temos muitas influências diferentes que incluímos na nossa música. Eu acho que é porque todos nós vimos de diferentes backgrounds musicais. Anastasia, Till e eu temos muita experiência com metal, Carina também tem alguma. Inês e Lena vêm de um meio totalmente clássico. Tentamos misturar estas diferentes experiências para obter as nossas próprias músicas. Todos nós temos maneiras diferentes de perceber uma canção e, portanto, também para a compor. Assim, você pode descrever-se Music Of Light como um álbum de metal melódico com influências clássicas e folk.


Vocês têm alguns convidados para tocar flauta e violino? Quem?
Ao vivo nós tocamos esses instrumentos com o teclado, mas quando gravamos o álbum pedimos a Stefan Gufler para tocar violino e a Katherine Spencer para tocar flauta. Nós também tivemos a Sabine Binder e o Henrike Becker a tocar violoncelo em algumas das canções e Amanda Lischke e Stefan Schmidt dos Van Canto a dar um grande apoio nos coros.



Pelo que posso perceber, olhando para o título, este álbum tem uma mensagem positiva. É verdade?

É definitivamente uma mensagem positiva. Nós queríamos ter um título especial, positivo para o nosso álbum e pensamos num monte de nomes até que escolhemos Music of Light, que é também o título da primeira música do álbum. A canção também dá uma sensação muito positiva. É uma canção de amor, mas feliz para variar. Carina canta sobre a sensação esmagadora de apenas se apaixonar e desfrutar essa euforia.


Os Arven tem tocado para públicos metal e gothic bem como em festivais e feiras medievais. Muito eclético, não?
Sim, nós tocamos em muitos locais diferentes e tivemos audiências realmente diferentes. É ótimo ver que temos os tradicionais fãs de metal, góticos e medievais. Mas também temos fãs, que normalmente não ouvem este tipo de música. Há até crianças nossas fãs! Desta forma, cada vez que damos um concerto é muito emocionante, porque não sabemos exatamente o que esperar.


Mas, afinal, onde se sentem mais confortáveis?
Eu acho que esta resposta vai depender de quem te responder (risos). Eu prefiro estar num ambiente de metal, é o lugar onde estou mais acostumada. Costumo passar os meus fins de semana em festas ou concertos de metal, por isso é normal para mim.



Sendo um sexteto, porque apenas cinco mulheres? (deixa-me dizer que Till Felden é um sortudo - está sempre rodeado por cinco lindas mulheres - risos...). Agora, sério, há algum motivo especial para que Arven não seja uma banda completamente feminina?

É simples: no momento em que Anastasia procurou um baterista do sexo feminino, simplesmente não conseguiu encontrar um que se encaixasse na banda e que fosse suficientemente bom. Então, começou a procurar um homem. E encontrou o Till. Agora ele é uma parte de Arven. Ele é fantástico e todos nos damos muito bem. Provavelmente não acreditarás, mas nunca tivemos problemas, porque ele ser o único homem entre nós.



No último ano os Arven fizeram uma longa tournée. O que vem a seguir?

Nós já começámos a escrever novas músicas para nosso segundo álbum. Os nossos planos passam por tocar ao vivo com mais frequência. Gostaríamos muito de tocar por toda a Alemanha e nos países vizinhos na Europa. Também pensamos fazer uma tournée, mas até agora ainda não fizemos planos concretos. Quem estiver curioso, pode visitar o nosso site www.arvenmusic.com ou assistir a um de nossos espetáculos ao vivo. Para terminar, muito obrigado, pelo interesse nos Arven. Quem quiser pode compartilhar as suas impressões do nosso CD connosco. Para isso, não hesitem em contactar-nos no Facebook. Gostaríamos muito que participassem!

Sem comentários: