sábado, 9 de junho de 2012

Review: Pandora's Piñata (Diablo Swing Orchestra)

Pandora’s Piñata (Diablo Swing Orchestra)
(2012, Candlelight)

Ultrapassada a surpresa dos álbuns iniciais dos Diablo Swing Orchestra (DSO) e com os ouvidos já mais familiarizados para a sonoridade praticada pelo coletivo sueco, pode dizer-se que, talvez por isso, Pandora’s Piñata, terceiro álbum do coletivo, soa menos impressionante e menos surpreendente. Por isso ou talvez porque este novo disco se mostra muito menos fluente à audição, fruto de alguns temas ligeiramente menos consistentes em termos de composição. As grandes referências dos DSO continuam bem presentes, no seu cruzamento de metal com tudo o que gire à sua volta e até bem longe dele. Sem limites à exploração de qualquer tipo de sonoridade, Pandora’s Piñata mantém essa tradição de incluir muito groove, muito swing e muito jazz. Provavelmente menos denso e negro que o seu anterior trabalho, este, por sua vez parece-nos mais abrangente no espectro musical. Voodoo Mon Amour é a tradicional abertura dos DSO cheia de groove, swing e jazz com a secção de metais com forte preponderância. Não deixa de ser uma abertura muito boa a que segue outro dos grandes temas do disco, Guerilla Laments muito baseado na América latina, quer nas percussões samba, quer nos metais tipicamente mexicanos. Ao terceiro tema surge um curto interlúdio com o violoncelo a assumir o protagonismo em menos de um minuto altamente sinistro. Kevlar Sweethearts mostra-se menos exuberante e com Annlouice Loegdlund a ter uma prestação diferente num registo mais quente. Os momentos mais estranhos e esquizofrénicos (se excluirmos o alucinado e alucinante fecho do disco) surge nas duas faixas seguintes, antes de Aurora, uma peça de ópera pura e com um final com apontamentos orientais, que aliás, regressarão em Mass Rapture. Em Honey Trap Aftermath regressa a forte componente jazzística e em Of Kali Ma Calibre a banda cai para terrenos propriedade dos Therion. Justice For Saint Mary fecha o disco de forma indescritível. Inicialmente muito calma com um ensemble de cordas vai evoluindo para a tal situação alucinante do fim. Só mesmo ouvindo. Para os apreciadores do género e da banda, Pandora’s Piñata é mais um disco aconselhável. Para quem ainda não tomou contacto com o grupo, não será esta a melhor forma de o conhecer.

Tracklist:
1.      Voodoo Mon Amour
2.      Guerilla Laments
3.      How To Organize A Lynch Mob
4.      Kevlar Sweethearts
5.      Black Box Messiah
6.      Exit Strategy Of A Wrecking Ball
7.      Aurora
8.      Honey Trap Aftermath
9.      Mass Rapture
10.  Of Kali Ma Calibre
11.  Justice For Saint Mary
 
Line-up:
Andy Johansson – baixo
Martin Isaksson – trompete
Daniel Hedin – trombone
Petter Karlsson – bateria
Annlouice Loegdlund – vocais
Daniel Hakansson – guitars e vocais
Pontus Mantefors – guitarras e efeitos
Joahannes Bergion – violoncelo

Internet:

Edição: Candlelight

Sem comentários: