RIP - Malcolm Young (AC/DC) - We Salute You!

Entrevista: Colobar

Angelo Angelov disse a determinada altura desta entrevista que, por vezes, as melhores e mais memoráveis músicas surgem de artistas desconhecidos. Ora isso aplica-se precisamente a ele e ao seu projeto Colobar. Behind The Veil Of Oblivion é um portento de metal progressivo capaz de criar aquela excitação que atualmente poucos discos do género conseguem. Motivos mais que suficientes para conhecermos um pouco mais deste criativo projeto búlgaro.

Viva, Angel! Obrigado por teres perdido algum do teu tempo a responder a Via Nocturna. Podes descrever-nos como nasceu este projeto Colobar?
Como a maioria das coisas vêm a este mundo – primeiramente surgiu uma ideia na minha mente! Depois de muitos anos a tocar apenas covers, senti que se tratava do momento em que estava pronto para tornar o meu sonho realidade - a criação da minha própria música. Quando chega esse momento tu sabe-lo, começas a sentir a música e ela começa a surgir na tua mente e nos teus dedos e voilá...

O que significa Colobar? Por que a escolha desse nome?
Escolher o nome de uma banda ou de um álbum é sempre uma coisa complicada de fazer! Há muitas bandas com tantos nomes diferentes e é muito difícil escolher um nome que seja um pouco diferente de todos que foram usados até agora. Como eu acredito que não há coincidências neste mundo, veio um dia a minha casa um amigo meu de quem eu sou padrinho. Ele mostrou-me um livro chamado Colobar, de um escritor búlgaro Spas Mavrov. É um livro esotérico-filosófico sobre o primeiro sacerdote da Tangra e os antigos rituais espirituais história búlgara. É o tipo de livro que eu gosto de ler. Para tornar a história curta esse meu amigo tornou-se uma espécie de "padrinho" do meu álbum. Como disse anteriormente - não existem coincidências neste mundo!

E como foi o processo de seleção dos músicos que te acompanham?
No início quis criar este álbum com a colaboração dos meus melhores amigos músicos. Mas sabes como é a vida... todos tentam sobreviver e nunca há tempo para fazer as coisas que realmente se deseja e a maioria apenas trabalha para a glória. A vida no meu país é muito difícil, especialmente nos últimos anos de crise. No entanto eu sou um músico profissional que toca bateria e guitarra, portanto pensei que para fazer um álbum de metal e rock só precisava de começar a gravar todas as minhas ideias e tentar fazer o álbum. Durante o processo de composição, arranjos e gravações vi que havia coisas que não podia fazer eu mesmo, portanto, pedi a alguns dos meus amigos músicos para participar da gravação do mesmo. Assim se verificou e dessa maneira este projeto ficou muito mais fácil para todos e naturalmente, para mim também!

Uma vez que todos os membros são provenientes da Bulgária, como geriram a situação com o vocalista Carl Sentance?
Esta é a minha parte favorita! ... Eu já estava a ficar desesperado quando ele veio! No início comecei a gravar os vocais com outro amigo meu búlgaro - Rosen, que pouco tempo depois foi morar para a Inglaterra com a sua família e aí senti que isso não era o que eu queria! Mais tarde tentei cantar, eu próprio, mas não correu tão bem como eu queria. Finalmente, no final de 2008 um outro amigo meu que é um ex-membro dos Pantommind, uma banda de prog búlgara convidou-me para fazer parte de uma banda projeto para tocar ao vivo no Dia de Natal na sua cidade natal com a estrela do Reino Unido, Carl Sentance, como convidado. Na altura a única coisa que eu sabia sobre Carl é que ele era o ex-frontman dos Krokus. O concerto que fizemos foi absolutamente fabuloso! Fiquei muito impressionado com a sua voz e depois de tudo, na festa, perguntei-lhe se ele aceitaria cantar as partes vocais do meu álbum, tendo aceitado. Mais tarde, quando ele terminou a gravação de todas as suas faixas, referiu que esta tinha sido a primeira vez que tinha participado numa gravação de um projeto rock/metal progressivo e que tinha sido um desafio que realmente gostou. Eu realmente acho que Carl fez um trabalho brilhante e provou que ele é uma das maiores vozes do rock e do metal! Ele também fez algumas mudanças nas melodias que realmente fizeram o álbum soar absolutamente incrível!

Como descreverias Behind The Veil Of Oblivion?
Neste álbum eu queria expressar toda a minha visão e compreensão do mundo! Na minha opinião, atualmente não sabes ou talvez não tenhamos tempo suficiente para o que é realmente importante para nós! Portanto, eu queria lembrar e acentuar essas coisas! Se leres as letras de Secrets, Listen (To The Silence) ou Behind The Veil Of Oblivion, perceberás. Nós, as pessoas, esquecemos a beleza deste mundo e estamos mais concentrados na negatividade e coisas do género. Esquecemos que ainda há muitos mistérios neste mundo e começamos a pensar que a ciência contemporânea tem respostas para todos eles, como vemos muitas vezes nos filmes! Preferimos ouvir o zumbido da TV, Rádio ou qualquer outra coisa em vez de tentar capturar alguns destes momentos de silêncio e ter um olhar mais profundo dentro de nós!

Estás totalmente satisfeito com o resultado final? Como têm sido as reações?
Posso dizer que estou cerca de 95% satisfeito com o resultado como produto de áudio e mais de 1000% como o trabalho feito pela Spectastral! O Kris é um grande gestor desta etiqueta e estou muito, muito grato pelo seu brilhante trabalho! Os comentários ainda estão a chegar e as reações de muitas revistas e estações de rádio são excelentes!

Notei algumas influências de Symphony X. Eles são na realidade uma influência para os Colobar?
Ah, sim! Essa é a minha banda de metal progressivo favorita! Russel Allen é o meu cantor favorito e as linhas vocais são influenciadas a partir de seu canto poderoso! E claro, tudo o resto! No entanto, essa é apenas uma parte das minhas influências para esta banda!

Alguns de vocês têm formação jazz? É que se notam alguns elementos de jazz na vossa música. Como surgiram? E também têm alguns elementos etno. Como gerem todas essas influências?
Sabes... o meu amor à música e minha carreira musical começou com o heavy metal. Mas durante anos eu estive totalmente aberto para o jazz, etno, blues, funk, fusion, clássicos... Se eu puder fazer analogia com o futebol - eu não sou um fã de uma equipa, eu sou um fã do jogo...! Como músico, eu queria saber como tocar e tenho-o feito com estilos diferentes em percussão e guitarra... A música folclórica búlgara faz parte da música étnica dos Balcãs e tem um estilo muito, muito original! Além disso, é também muito difícil de tocar, por isso para essas partes, convidei um amigo! A gestão destes estilos era um desafio e acho que fiz muito bem na maior parte,mas não em outras, na minha opinião (estes são, os 5% de não satisfação).

Já existe alguma tournée planeada para levar este projeto para palco?
Ainda não! Olhando para a frente e se a oportunidade se apresentar eu adoraria fazê-lo.

A terminar há qualquer coisa mais que queiras dizer aos nossos leitores?
Continuem a procurar e a ouvir boa música! Às vezes, bandas ou artistas desconhecidos são os que produzem melhor e mais memorável música! Eu criei este álbum de todo o meu coração, não com fins comerciais e é por isso que eu acredito que é um bom retorno os comentários dos críticos e ouvintes de rádio! Eu próprio queria dizer algo, deixar algo para trás e assim o fiz, e sinto-me muito feliz por isso! Muito obrigado ao Carl Sentance, Spectastral Records, Kris Lazarov e todos os músicos que me ajudaram a tornar este álbum uma realidade, aos fãs presentes e futuros e finalmente estou muito grato pelo apoio da minha família! Deus vos abençoe a todos! Obrigado!

Comentários