sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Entrevista: Low Torque

Puro rock’n’roll com misturas de southern rock e stoner, eis uma forma algo simplista de apresentar os Low Torque banda que reúne um conjunto de músicos com créditos firmados no cenário roqueiro nacional. Descartando, desde logo, o rótulo de all star band, o guitarrista André Teixeira apresenta a Via Nocturna a banda e o seu álbum de estreia.
 
Obrigado por acederem a responder a Via Nocturna. Os Low Torque são um coletivo com gente experiente vinda de outras bandas com algum reconhecimento. Como surgiu a vontade de se unirem neste novo projeto?
Nós criamos este projeto um pouco por acaso. Inicialmente eu e o Hugo Raminhos encontramo-nos num bar onde costumávamos beber uns copos e decidimos dar uns toques só naquela de desenferrujar. Já não tinhamos nenhuma banda nessa altura e então a coisa sucedeu assim. Depois fomos encontrando os restantes elementos um a um até sermos quem somos hoje. Primeiro o Miguel Rita, depois o Marco Resende. À exceção do Raminhos, que foi substituido pelo Arlindo Cardoso a banda mantém-se com os membros originais desde o início.
 
De alguma forma sentem-se como uma “all star band”, dado o currículo dos elementos?
De forma alguma... lol... num país tão “pequeno” (de tantas formas!) sería no mínimo pretencioso considerarmo-nos uma “all star band”. Somos apenas pessoas simples que tocam instrumentos e que tentam fazer a música que gostam.
 
É verdade que vocês só tocaram instrumentais durante cerca de um ano porque não encontravam um vocalista?
Sim, é verdade. O Marco Resende foi a única voz possível para este projeto, das pessoas que tentaram ao longo desse ano. Na nossa humilde perspetiva, claro.
 
Como descreveriam a sonoridade praticada pelos Low Torque e que nomes ou correntes podem apontar como vossas influências?
Nós tocamos aquilo que nos sai naturalmente. Mas assumimos que tocamos southern rock com alguma dose de stoner metal. As influências são inúmeras. Desde os clássicos como AC/DC, Black Sabbath,  ou até Thin Lizzy; aos ZZ top ou Lynyrd Skynyrd; dos Kyuss aos Pantera; dos Black Label Society aos Alice In Chains ou Soundgarden.. enfim, tudo o que rocka, sem estilo nenhum definido particularmente. São demaisiadas as bandas que crescemos a ouvir e que nos influenciam todos os dias.
 

Depois de um EP de 4 temas o ano passado, chegam agora ao longa duração. Estão satisfeitos com o resultado final?
Nós por acaso lançámos logo o álbum! No geral estamos muito satisfeitos, senão não tinhamos feito as coisas assim. No dia em que fizermos música para agradar a terceiros, a banda acaba. Primeiro fazemos o que gostamos, depois esperamos que alguém goste para podermos continuar a tocar. O processo inverso, normalmente, dá merda.
 
Como decorreu o processo de gravação de Low Torque?
O álbum foi 100% gravado, misturado e masterizado na nossa sala de ensaios e no meu estúdio em minha casa.
 
Entretanto, já com tudo pronto a respeito do vosso álbum, ocorreu uma alteração no vosso line up, certo? O que aconteceu?
Infelizmente o nosso ex-baterista Hugo Raminhos decidiu sair da banda por motivos dele, pessoais, que nós preferimos não divulgar publicamente, apesar de continuarmos grandes amigos. Atualmente toca connosco o Arlindo que, como já referi acima, é um excelente músico e nosso grande amigo. A vida tem destas coisas...
 

Conseguiram votos suficientes para irem ao Uproar Festival?
Não. Hahaha.

E por falar em concertos, como está a vossa agenda para os próximos tempos?
Estivemos parados nestes 2 quentes meses de verão e vamos voltar a carga já em setembro até ao final do ano. É estarem atentos ao nosso facebook. Lá divulgamos todas as datas com bastante antecedência.
 
E quais são os vossos projetos para os próximos tempos?
Tocar ao vivo, vender merchandise e gravar álbuns. Um por ano de preferência.
 
A terminar, querem acrescentar algo para os nossos leitores?
Apoiem o rock nacional. Venham aos concertos.

Sem comentários: