terça-feira, 11 de abril de 2017

Review: Beyond The Human Mind (Vandroya)

Beyond The Human Mind (Vandroya)
(2017, Inner Wound Recordings)
(6.0/6)

Depois da excelência de One já nos tínhamos questionado o que andariam os Vandroya a fazer. Pois bem, passaram-se quatro anos mas a resposta não podia ter sido mais eloquente. Beyond The Human Mind, título do seu novo trabalho, pega onde One termina e dá um passo em frente a todos os níveis. E se as capacidades técnica e melódica continuam inquestionáveis, já o poder de fogo da secção rítmica se mostra mais comedido, embora mais rigoroso, diversificado e cirúrgico. Também a velocidade diminuiu de uma maneira geral, mas também aqui se verifica que esse aspeto é utilizado com muito mais critério. Ou seja, os Vandroya de hoje conseguem criar outras dinâmicas e outras nuances de modo que, não perdendo as suas caraterísticas, os tornam mais capazes, estruturalmente mais ricos, mais criativos e com arranjos mais inteligentes e eficazes. Por outro lado, ou se preferirem, nessa sequência, o lado progressivo está mais presente, mais eficaz, com a criação de estruturas mais complexas, embora perfeitamente percetíveis, mais poliritmos, mais polifonias, mais contratempos. Enfim, acrobacias técnicas só ao alcance de elementos de elevada craveira. Posto isto, foquemo-nos mais detalhadamente em Beyond The Human Mind. O álbum começa com uma curta intro instrumental de enorme calibre e termina com um épico de mais de 10 minutos, compassado, cheio de pormenores que conseguem cruzar elementos prog com estruturas jazz. E o que há pelo meio? Desde logo duas baladas – Last Breath e If I Forgive Myself – mais tradicional a segunda, mais inovadora a primeira mas sempre de belo efeito e com evoluções impressionantes ao nível melódico e instrumental. Dois temas que alteram sucessivamente de supersónico para mid-tempo, The Path To The Endless Fall e Maya, com muito elemento prog, deslumbrantes melodias e solos sensacionais. E dois temas de heavy metal/power metal mais direto, mas ainda assim, de fino recorte – I’m Alive e You’ll Know My Name. Este segundo é, quanto a nós o momento mais alto de um disco carregado de grandes temas, construído por uma banda fenomenal liderada pela carismática voz de Daísa Munhoz.

Tracklist:
01. Columns Of Illusion
02. The Path To The Endless Fall
03. Maya
04. Time After Time
05. Last Breath
06. I'm Alive
07. You'll Know My Name
08. If I Forgive Myself
09. Beyond The Human Mind

Line-up:
Daísa Munhoz - vocais
Marco Lambert - guitarras
Rodolfo Pagotto - guitarras
Giovanni Perlati - baixo
Otávio Nuñez – bateria

Internet:
Website    
Facebook          

Edição: Inner Wound Recordings    

Sem comentários: