quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Entrevista: Taz Taylor Band

Pressure And Time é um álbum de regressos. Um regresso a uma editora que a Taz Taylor Band conhece bem, a Escape Music e o regresso aos álbuns com vocalista. Ainda assim e sempre com instrumentais a terem o seu espaço. O guitarrista Taz Taylor fala-nos desta nova abordagem, da banda que o acompanha, da versão de Purple Rain e de muito mais.

Olá Taz, tudo bem? Finalmente de regresso aos álbuns com vocais. Sentiste falta de um vocalista na banda?
Estou bem, obrigado! Não diria que foi um caso de falta de um vocalista na banda, porque nós, nos Taz Taylor Band, tanto apreciamos a música vocal como instrumental. Pareceu-nos que estava na altura de trazer de novo os vocais e ver onde isso nos levaria.

Como foram essas experiências com álbuns instrumentais? Irão continuar a fazê-lo?
Quer Big Dumb Rock e, particularmente, Deja Voodoo resultaram muito bem. Durante esse período abrimos para um conjunto de grandes nomes como Ace Frehley, Ritchie Kotzen, Eric Johnson, Michael Schenker, UFO, Uli Jon Roth, apenas para citar alguns... Portanto, temos vindo a tocar para maiores audiências do que mesmo quando andámos em tournée com Graham Bonnet na banda.

Ainda assim, mantém a tradição com a inclusão de dois instrumentais neste álbum...
Sim! Às vezes, uma música diz o que quer ser e apenas tem que se respeitar e seguir. Quero dizer que não havia nenhuma hipótese de um tema como A Moment Of Clarity tivesse vocais.

Verifica-se também o regresso a uma editora com quem já tinham trabalhado. Os dados estavam lançados para um grande retorno?
Claro! A Escape Music tinha sido muito boa para nós no passado, temos um excelente relacionamento.

Assim, o que nos podes dizer, nas tuas próprias palavras, a respeito daquilo que os fãs podem ouvir em Pressure And Time?
Eu acho que é um álbum de Melodic Hard Rock feito por um grupo de pessoas que sabe como tocar e improvisar e que, também, tem um ouvido para uma boa música!

Para este novo álbum, contam com o talento vocal de Chandler Mogel. É membro permanente da banda?
Se o álbum resultar suficientemente bem para garantir uma tournée completa, então sim Chandler será incluído, pelo que… cabe aos fãs. Se um número suficiente quiser, ele estará lá!

Por outro lado, a secção rítmica é formada pelos teus membros originais. Poder e estabilidade na base de um grande álbum…
Obrigado... Sim Val Trainor e Barney L. Firks II estão na banda há algum tempo. Nós três temos uma excelente relação de trabalho e damo-nos muito bem como pessoas. Fazer música é divertido se o fazes com pessoas de quem realmente gostas, caso contrário torna-se um trabalho.

Fala-me a respeito da escolha do tema Purple Rain para fazer uma versão. É uma música que frequentemente toquem ao vivo ou foi uma forma de homenagear Prince?
Começámos a tocar essa canção um pouco antes de Prince ter falecido. Até há um vídeo no youtube comigo a tocar essa música em casa, cerca de um mês antes de ele morrer. Pensei que era uma boa ideia fazer uma versão dessa canção porque é algo fora do nosso género. Prince foi Pop, Funk, um artista R & B. Tocamos Purple Rain sem mudar o nosso som ou abordagem... e funcionou. Estivemos quase para não a fazer em função da sua morte trágica, porque não queríamos que parecesse que estávamos numa onda de homenagem, por assim dizer. Mas decidimos ir em frente porque é e sempre foi uma grande canção, e acho que fizemos justiça.

Mas foi um risco calculado fazer uma versão de uma canção já magistral?
Acho que sim, mas se vais deixar a tua mente ficar poluída com as consequências... nunca irás fazer nada!

Como estamos quanto a concertos?
Estamos ocupados aqui no sul da Califórnia. Acabamos de tocar com The Last In Line (Vivian Campbell, Vinnie Appice), tocamos com os LA Guns há algumas semanas e faremos um espetáculo com Tony MacAlpine dentro de poucas semanas.

Obrigado, Taz! Queres acrescentar mais alguma coisa?
Gostaria apenas de encorajar toda agente a apoiar nova música. Comprar CD's, ir a concertos... e vemo-nos por aí!

Sem comentários: