sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Entrevista: Cats In Space

Os Gatos mais imponentes e galáticos do atual cenário musical estão de regresso com mais um grande disco. Felinamente apoteótico, Scarecrow mostra os Cats In Space, mais uma vez, em grande forma. Ainda antes de uma tournée britânica e depois de algumas datas importantes com Thunder, Phil Collins e Marillion, Greg Hart, mentor deste destacado projeto, voltou a falar com Via Nocturna.

Olá Greg, como estás? Depois de um sensacional Too Many Gods, os gatos estão de volta com outro registo sensacional. Como decorreram as sessões de trabalho desta vez?
Olá, é bom falar contigo novamente! Bem, como sempre, eu e o parceiro de escrita, Mick Wilson, passamos a primeira parte do ano passado a mostrar as novas músicas, depois as principais sessões de gravação ocorreram entre agosto e o Natal. Usamos um adequado estúdio residencial da velha escola, que incluiu a mesa de gravação original usada pelos Thin Lizzy em Live & Dangerous, além de inúmeros LP’s de Bowie e Queen.

Depois de Too Many Gods, um título que parecia mais sério, desta vez os gatos espaciais pousaram num Scarecrow - podemos daqui inferir uma faceta mais divertida?
Temos um coração mais leve, sim, mas não esqueças que os gatos têm garras! Se ouvires as letras, verás que gostamos de fazer alguns comentários sérios sobre o estado do planeta Terra. Em resumo, sim, gostamos de nos divertir, mas as nossas palavras refletem "instantâneos" de coisas que achamos que também são importantes.

De facto, a diversão aparece bastante associada à vossa música. Essa é a vossa maneira de ser?
A música deve servir, em primeiro lugar, para divertir... Como disse, sim, estamos aqui para fazer com que as pessoas se divirtam e lembrar aqueles gloriosos dias de música que sinto foram os melhores momentos. Mas nós gostamos de ser sérios e algumas das nossas músicas podem ser bastante profundas e pensativas - tira as diversas camadas e poderás ver isso! Costumo dizer às pessoas que as nossas músicas têm muito mais profundidade do que aparentam numa primeira abordagem.

Da última vez que conversamos, dizias que o álbum número dois já estava a ser planeado. Assim, pergunto-te se começaste a trabalhar nessas músicas logo após o lançamento do álbum anterior ou se já tinham algumas músicas prontas?
Tínhamos algumas músicas prontas, e a faixa-título Scarecrow já era uma demo que eu e Mick reescrevemos para ser a "peça central" do álbum. Um épico de 8 minutos que eu sempre quis! Também desde o primeiro dia que o álbum se chamou Scarecrow, como a conclusão da música Greatest Story Never Told, do primeiro álbum. Todo o "plano dos gatos" foi delineado há muito tempo e agora podem começar a ler a história à medida que ela se desenrola!

Desta vez tiveram algum convidado exterior à banda?
Mick Wilson, como sempre, é o nosso 7º gato e ele está no álbum como sempre a cantar e a tocar. Também tivemos o talento de Adam Glasser na harmónica no tema Scars. Adam é o músico de sessão número um do mundo! Claro que tivemos outra visita da nossa cantora felina Janey Bombshell, que canta em Scars.

E nada mais apropriado num disco dos Cats In Space do que uma música chamada Jupiter Calling, também ela cheia de efeitos sonoros a lembrar a ficção científica. Ainda assim, é uma música ligeiramente diferente do resto do álbum, não concordas?
Bem, tem a nossa marca registada, penso eu. Queríamos, assim como fizemos com o álbum Too Many Gods, definir o álbum como o início da história, por isso nada melhor que uma grande música épica e bombástica. E gosto de usar efeitos sonoros para levar as pessoas ao clímax. Dizem-nos que a nossa música é bastante cinematográfica. A capa do álbum baseia-se na introdução da música. Aterragem no campo onde vemos o Espantalho pela primeira vez...

Também se pode notar que não se limitam à vossa zona de conforto…
Nós tentamos sempre empurrar as fronteiras, tratando cada música como a sua própria 'mini história'. Assim como as grandes bandas fizeram na década de 70, também nós queremos experimentar diferentes temas e estilos, logo os álbuns são uma "caixa de chocolate" cheia de sabor! Os nossos álbuns são projetados para levar as pessoas numa viagem, pelo que as músicas são tocadas em ordem e resultam muito bem. Despendemos muito tempo para garantir que todo o álbum resulte assim. Por favor, não mexam na nossa música pessoal!

Depois, e mais uma vez, há coros soberbos! Lá está, a tal ajuda de Mick Wilson?
Mick é um músico incrível e ele e eu discutimos todos os backing vocals em cada música e o que queremos alcançar. Começamos por gravar a sua voz em muitas faixas criando um banco de harmonias, depois é adicionada e combinada a minha voz e finalmente a voz de Jeff Brown também é adicionada (Jeff também tem uma voz incrivelmente poderosa) e só então Paul Manzi canta os vocais principais com incríveis e harmonias... todos juntos. Realmente é um som maciço que gostamos tanto que continuaremos a explorar!

Mad Hatter's Tea Party foi o vosso primeiro vídeo e está espetacular! Como surgiu aquela ideia e quem esteve por trás de todo isso?
A ideia veio do título da música e queríamos aprofundar os nossos pensamentos a respeito de toda a selva das redes sociais e o quanto isso é prejudicial e falso. Então, escrevemos sobre isso de um ponto de exibição em desenhos animados mas ao mesmo tempo também queríamos passar a mensagem sinistra e sombria. Finalmente, juntamos os talentos de David Fowler (Australian Pink Floyd Show). Foi ele que inventou tudo o que vês e também incorporou alguns elementos visuais do álbum. Deixamos para que o espectador o leia da forma que goste.

Há projetos para mais vídeos?
Sim, estamos sempre a pensar em vídeos, mas teremos que esperar e ver!

Mais ou menos ao mesmo tempo os Moritz lançaram o seu novo álbum, embora já lá não estejas. Chegaste a ouvir o disco?
Não. Eu deixei a banda, como disseste, há alguns anos atrás, embora eles estejam a usar neste novo álbum algumas das minhas músicas coescritas.

Em setembro, irão em tournée pela Inglaterra. O que têm planeado?
Temos uma equipa incrível de management que está a trabalhar e haverá mais ação ao vivo durante o Inverno - vejam este espaço. Já fizemos uma incrível tournée pelo Reino Unido com Thunder, um festival no Hyde Park com Phil Collins, um festival com Marillion que correram muito bem. Esperemos que isso continue durante todo o próximo ano, após o qual eu vou ter o álbum três pronto para gravar (risos)!

Mais uma vez, obrigado Greg! Queres acrescentar mais alguma coisa?
Como sempre, um grande agradecimento a todos que nos apoiem, compram a nossa música e entendem o que fazemos. Tudo o que ouves vem dos nossos corações e é sincero e genuíno. Nunca esperávamos que chegasse onde chegou e estamos todos a bordo da nave espacial, desfrutando deste incrível passeio.

Sem comentários: